Petrobrás integrada gera as riquezas que os trabalhadores constroem
junho 12, 2019
Petroleiros de Duque de Caxias já estão na greve
junho 13, 2019

Transpetro faz 21

Antigo departamento de transporte da Petrobras, a Transpetro foi criada em 1998, durante o governo privatista de Fernando Henrique Cardoso, e no dia 12 de junho de 2019 completa 21 anos de resistência à privatização. É uma das principais subsidiárias, sendo 100% da Petrobrás, opera e mantêm 14 mil quilômetros de oleodutos e gasodutos, 27 terminais aquaviários e 20 terminais terrestres que armazenam petróleo, derivados, GLP e biocombustíveis, que interligam todas as regiões do país. Além disso, a Transpetro possui uma frota própria de 57 navios petroleiros, a FRONAPE, que conecta a energia do Brasil ao mundo.

As declarações do presidente da Petrobrás, que sonha privatizar tudo, estão alinhadas com o resultado obtido no dia 6 de junho de 2019 no Supremo Tribunal Federal, quando os magistrados decidiram que as subsidiárias das estatais brasileiras poderiam ser vendidas, inclusive sem licitação. É um ataque direto ao direito que todos os brasileiros têm à energia e aos combustíveis a preço justo, e um risco alto para a soberania nacional.

  • Transpetro 100% integrada à Petrobras: a logística é um setor estratégico para a cadeia produtiva de óleo e gás. Quem tem o controle da logística, tem o mercado, pois ele garante acesso às fontes de matéria-prima, redução de taxação, ampliação de barreiras de mercado para novas empresas concorrentes. Se a Petrobrás abre mão do controle do transporte e armazenamento, ela está fadada a ter aumento de custos de produção e pode até perder o protagonismo no setor. Por isso defender a Transpetro é defender a Petrobrás.
  • Transpetro 100% estatal significa segurança: o caso da tragédia provocada pela Vale na cidade de Brumadinho e Mariana é um exemplo de como o setor privado sempre vai em busca do lucro em detrimento da segurança e qualidade na prestação de serviços. Por isso a Transpetro 100% estatal é uma garantia de segurança para população, pois os dutos e terminais da Petrobrás e da Transpetro estão presentes próximos à residência de milhares de brasileiros, transportando produtos essenciais, mas também são inflamáveis, tóxicos e potencialmente poluidores. Basta lembrar da homenagem que os trabalhadores da Transpetro receberam por sua atuação no combate ao incêndio que ocorreu em 2015 no Porto de Santos, o que poderia ter sido uma tragédia de enormes proporções! A empresa privada que operava aquele terminal não tinha expertise, materiais e equipamentos em quantidade necessária para combater aquela emergência, foi preciso acionar a Transpetro e a Petrobrás para apoio. Confiabilidade das medições: toda a incidência de impostos, royalties e taxas diversas, bem como o lucro sobre o volume de petróleo, derivados de petróleo e gás dependem de um controle eficaz da medição: capacidade técnica, calibragem de equipamentos, redundância e manutenção constante. A Transpetro conseguiu ser referência nesse quesito pela competência de seus técnicos e engenheiros, e por ser uma empresa pública, o seu dono é o principal interessado na precisão dessas informações. É uma segurança para o Brasil, uma vez que novos players buscam atuar no mercado nacional e o escoamento da produção passa necessariamente pela logística. A Transpetro 100% estatal é uma garantia a mais contra fraudes e sonegação, que podem afetar toda população brasileira.
  • Respeito aos trabalhadores: apesar da Transpetro se vangloriar de ser uma empresa de alta tecnologia, especialmente na área de automação, nenhuma máquina ou software fez sozinho a Transpetro ser a maior empresa de logística do Brasil. Foram seres humanos, cerca de 25 mil trabalhadores próprios e contratados, que há mais de 2 décadas suam a camisa, em terra e mar, com dedicação e trabalho para conquistar esse objetivo, e por isso merecem respeito. Contudo, contrariando as práticas atuais de grandes empresas petrolíferas do mundo, a empresa prefere tratar seus funcionários como “problema” e apresentou uma contraproposta de acordo coletivo de trabalho que retira diretos em todas as áreas, incluindo as garantias de manutenção do emprego e transferências, SMS, benefícios e remuneração. Ao mesmo tempo, tem exigido e sobrecarregado ainda mais seus empregados. Não iremos aceitar esta afronta.

Privatizações

O ministro da economia, Paulo Guedes, colocou a Transpetro na lista de empresas estatais a serem privatizadas. Em outros anúncios de privatização ele nem precisou citar a empresa, pois a venda das refinarias, está prometida com o pacote logístico integrado. Guedes está no mínimo mal informado, o Brasil não precisa vender o que tem. Existe demanda de mercado para a ampliação: principalmente do modal dutoviário, onde o Brasil está na 16ª posição no ranking mundial, o país tem apenas 22 mil km de dutovias em operação. Fica atrás da União Européia (800 mil) e de outros países com menor extensão territorial como México (40 mil), Argentina (38 mil) e Austrália (32 mil). E nos EUA, a malha de dutos é em média, dez vezes maior que a do Brasil.

Por isso, fica claro o interesse estrangeiro na compra dos ativos da Petrobrás, como a TAG -Transportadora Associada de Gás: os investimentos iniciais para construção desses ativos são caros e somente viáveis a médio e longo prazo, por isso o setor privado não assume os custos. Fica mais fácil para as corporações comprarem os dutos da Petrobrás prontos, após todo um investimento da estatal para construí-los.

A recente estratégia da Petrobrás que abrirá mão do controle acionário da Distribuidora, liga o alerta para os trabalhadores da Transpetro. É hora de lutar. É hora de barrar o desmonte e realizar o nosso sonho: de um Sistema Petrobrás Integrado, gerando riqueza, emprego digno e benefícios para a população.